NextPit

Em 2018, Xiaomi quer se consolidar na China e ganhar o mundo (de novo)

AndroidPIT Xiaomi mi mix 2 2249
© NextPit

A regra é clara: se tem notícia da Xiaomi circulando, ela é minha. Desta vez vamos falar de uma carta escrita por Lei Jun, fundador e CEO da Xiaomi, endereçada a todos os funcionários da empresa e que revela também os próximos passos da companhia – que, caso você não se lembre, teve uma breve e turbulenta passagem pelo Brasil no passado. Dentre os planos, estão o de conquistar de vez o mercado chinês e de planejar uma expansão para o mundo.

NextPit Logo white on transparent Background
NEXTPITTV

Lei Jun inicia comemorando os feitos da empresa no ano passado. O principal deles foi atingir a marca de 100 bilhões de RMB (o equivalente a 51 bilhões de reais) de receita. Tudo isso em apenas sete anos, o que é mais um motivo de celebração. O chinês inclusive relembra que, para alcançar a mesma marca, a Apple levou 20 anos, o Facebook levou 12 e a Google demorou nove anos.

Antes de revelar os próximos passos da Xiaomi, porém, Lei Jun ainda fala sobre o sucesso da empresa. Para ele, três razões foram responsáveis pela recuperação bem sucedida na venda de smartphones: a pesquisa por inovações tecnológicas, o foco na qualidade e o crescimento do negócio em âmbito global.

DSC 0126
Lei Jun em evento da Qualcomm / © NextPit

Essa última questão, inclusive, é justamente algo que a Xiaomi visa melhorar no futuro. Lei Jun afirma que a empresa vai se esforçar mais  para expandir internacionalmente. “Em 2017, estive três vezes na Índia, duas na Indonésia e uma no Vietnã, e vi oportunidades grandes e animadoras em todos os lugares em que estive”, afirmou o CEO.

 

Lei Jun tem, porém, cautela em seu discurso. Para ele, é importante se consolidar no mercado chinês antes de atingir a expansão global. “O mercado chinês é a base da Xiaomi. É o maior mercado de eletrônicos de consumo do mundo e o mais competitivo. Só ganhando no mercado interno podemos ter suporte suficiente para a expansão global. Somente ganhando na China, podemos ganhar no resto do mundo”.

Vale lembrar que, recentemente, a Xiaomi começou sua operação na Europa, mas especificamente na Espanha, e que o Brasil, muito embora não tenha dado certo no passado, nunca foi descartado.

E você gostaria que a Xiaomi voltasse ao Brasil?

Gostou do artigo? Então compartilhe!
Comentar agora

Artigos recomendados

Os comentários favoritos dos leitores

  • Stella Dauer 09/02/2018

    Os comentários aqui dizem exatamente o que penso. Sempre achei que a Xiaomi por aqui é uma ótima ideia. É uma empresa que não tem apenas smartphones, mas diversos produtos muito bons.

    Concorrência é sempre saudável, ainda mais com produtos de qualidade.

    Porém, a Xiaomi realmente errou em sua primeira vinda para cá, e acho que foi o próprio Hugo Barra quem ajudou a fazer isso. Vieram com uma estratégia que subestimou o público brasileiro, e foram embora com a imagem manchada.

    Espero que voltem, mas como disse o Sidney. De forma mais consciente, com uma gama maior de produtos e preços condizentes com o mercado.

  •   47
    Conta desativada 09/02/2018

    Já deixei minha opinião uma vez aqui sobre a Xiaomi... A história de que foi embora somente pelos impostos Brasil não convenceu... Antes de se instalar em qualquer lugar do mundo seu setor financeiro e jurídico sabiam desses impostos.... O problema foi querer vender 2 ou 3 aparelhos de fim de estoque e achou que o brasileiro iria engolir isso... Acho que tem bons aparelhos, mas a forma como fez aqui não daria certo nem que fosse outro país

  • João 09/02/2018

    Gente, vejo aqui muitas pessoas dizendo que não querem ver mais a Xiaomi nem pintada de ouro, e gente dizendo que quer ela de volta (desde que, atenda a certas condições, como preço).
    A Xiaomi sofre do mesmo mal (exatamente o mesmo mal) de TODAS as outras, como Samsung, LG, Sony, Motorola/Lenovo, Asus, etc.
    Qual mal ?
    Não estudam a fundo o mercado, apenas uma pesquisa encomendada, nem arriscam estratégias mercadológicas.
    Vou me explicitar, para ser mais fácil o entendimento daquilo que quero falar.
    ALLguém se lembra do avião CONCORDE, da Air France ? Fazia a viagem Rio-Paris em apenas duas horas, contra 10 dos demais aviões / empresas.
    Saiu de circulação (aliás, saiu não, tiraram) com a desculpa de ser muito barulhento e caro.
    Mas nunca viajou vazio. Caro ou não, havia mercado.
    O Audi A3 e o Fiat Palio 1.8 levam as mesmas 5 pessoas para os mesmo lugares.
    Sendo que o Fiat custa quase a metade do preço, mas ainda assim há quem compre Audi, BMW, Mercedes... (gosto ? custo benefício ? querer aparecer ? Não importa o motivo. Há quem queira e pronto).
    O Samsung J2 faz as mesmas ligações que os Samsungs A7, S7, S8, Apple 6, 7, etc, custando muito, mas muito menos. Mas o A7, S7, S8 e os Apples 6, 7, etc vendem, e bastante.
    Em suma: é caro ? E daí ? Há quem compre. Não há quem queira ? Mentira. Há gosto e necessidade para tudo.
    Muitos criticaram a LG de trazer aparelho capado. Eu comprei o LG 5 SE por causa do infravermelho. Se Houvesse o LG 5 "FULL" dual-chip, eu o teria comprado no lugar do SE.
    Onde estão o Asus Zenfone 4 pró, o Galaxy S7 Edge Dual, etc ?
    Se dual chip não vendesse, o J2,3,5,etc não o teriam.
    Traga o aparelho. Se não vender, muda a estratégia, preço, etc.
    Há quem compre. Apostem no Brasil.

  • Phelipe B. 09/02/2018

    Quando trouxer aparelhos realmente bons para o Brasil, e com preços competitivos, aí sim ganhará nosso mercado.

  •   62
    Conta desativada 09/02/2018

    A Xiaomi perdeu uma grande oportunidade de fincar raízes no Brasil, sua saída foi muito mal explicada e queimou o filme da empresa, embora tenha qualidade, mas precisa de ambição, para se tornar uma verdadeira gigante.

70 Comentários

Escreva um comentário:
Todas as mudanças foram salvas. Não há rascunhos salvos no seu aparelho.
Escreva um comentário:
Todas as mudanças foram salvas. Não há rascunhos salvos no seu aparelho.

  • Lucas Bolseiro T. 16/02/2018 Link para o comentário

    Eu particularmente queria que ela voltasse para cá, aí sim eu compraria um Mi...


  • Henrique Guimarães 16/02/2018 Link para o comentário

    Falando em Xiaomi, estou na dúvida entre o Mi Max 2 por R$916,00 ou o Mi Note 3 por R$1.160,00.
    Podem ajudar?


  •   85
    Conta desativada 13/02/2018 Link para o comentário

    Prefiro continuar importando, sai mais barato....


  • viktor santos 10/02/2018 Link para o comentário

    Sério que tem gente achando que o público que compra moto g achando top de linha era super exigente com os aparelhos da xioami que ele trouxe pro brasil? Ela saiu daqui pq viu que não poderia manter os preços baixos como é feito lá fora, ela saiu daqui pra não perder sua identidade de mercado

    Conta desativada


  • Victor Lima 10/02/2018 Link para o comentário

    ela tem potencial pra isso


  • Alax Ricard de Souza S. 09/02/2018 Link para o comentário

    A Xiaomi esta revolucionando nos aparelhos dele agora com este novo Redmi Note 5 é dos sonhos.


  • Deivis Schuman 09/02/2018 Link para o comentário

    A Xiaomi na verdade começou com o pé esquerdo aqui no Brasil!
    Sim ela vendeu muito bem os modelos que trouxe, porém muita coisa deu errado!
    Cito alguns:
    -A forma de compra apenas pelo site próprio e com data marcada foi algo que irritou muita gente!
    -Ela tomou uma multa milionária da Receita que alegou que tinha algo irregular na importação!
    -Teve problemas com a Anatel na homologação de um dos seus produtos!

    Tem muito mais coisa envolvida, porém eu queria muito ver a Xiaomi por aqui!
    Seria uma concorrência de peso para aq que já estão aqui!


    • David CD 09/02/2018 Link para o comentário

      Já eu não quero brother Deivis. Se a xiaomi vier de forma oficial ao Brasil, ela jamais terá o mesmo preço acessível como é hoje. Será praticamente o mesmo preço da concorrência.


      • ალაჰი დიდია 10/02/2018 Link para o comentário

        >não teria preço acessível
        >redmi 2
        >parecido com o moto g2 só que custando 500 fundendos reais
        >não teria preço acessível

        claro que não seria o mesmo da china, mas...


      • Deivis Schuman 11/02/2018 Link para o comentário

        Bem lembrado Sister K-pop


      • Blind 13/02/2018 Link para o comentário

        Redmi 2 Pro custava no máximo 600 reais possuía 2 GB de ram e nenhum outro aparelho do nosso mercado tinha melhor preço oferecendo as mesmas coisas.


        Única q tentou foi o Asus n me lembro o nome 5 mas tinha um SoC da Intel q sempre foi o pé de aquiles


  •   99
    Conta desativada 09/02/2018 Link para o comentário

    Se vier tem que ser pra valer!
    Vender aparelhos de entrada a top de linha...


    • Marcelo Neri 09/02/2018 Link para o comentário

      Isso mesmo Robô e não apareça aqui com mixaria de aparelhos! rs...


    • David CD 09/02/2018 Link para o comentário

      Verdade. Os tops da xiaomi não deve em quase nada para um top da Samsung. Acho que só câmera.


  • Soterio Salles 09/02/2018 Link para o comentário

    Eu gostaria de ver algumas coisas na Xiaomi além de virem pro Brasil é claro.
    Uma tela OLED cairia bem, os aparelhos da linha Mix são lindos mas falta aquele preto na tela pra mesclar com a cerâmica, falo por experiência própria porque tive o primeiro Mix e que aparelho lindo....
    Precisam investir mais no software das câmeras, no pós processamento pra ser mais especifico já que eles usam sensores de qualidade mas as câmeras ainda deixam um pouco a desejar.
    Outra coisa que eu queira ver é a adoção do Projeto Treble, seria o casamento perfeito com a MIUI pra termos Android atualizado e as muitas funções boas das ROM da Xiaomi.

    Eu penso em voltar a usar aparelhos da marca no futuro mas vou esperar pra ver os lançamentos de 2018 pra decidir isso.


    • David CD 09/02/2018 Link para o comentário

      Acho que só falta a Câmera para a Xiaomi se apresentar como uma concorrente à altura da Samsung e da Apple.

      Conta desativada

Mostrar todos os comentários
Escreva um comentário:
Todas as mudanças foram salvas. Não há rascunhos salvos no seu aparelho.