Review do Realme 7 Pro: um smartphone para a geração Z

Review do Realme 7 Pro: um smartphone para a geração Z

Após o lançamento na Índia e Europa, a série Realme 7 finalmente chegou ao Brasil. Os novos smartphones 7 e 7 Pro seguem a proposta da marca, oferecendo especificações generosas a preços convidativos. Usei o novo Realme 7 Pro para ver se é tudo isso mesmo que estão falando. Será que o aparelho é um upgrade digno do Realme 6 Pro? E é esse o modelo que desbancará os sucessos de venda Redmi Note e Galaxy A? Confira as respostas neste reveiw do Realme 7 Pro.

Avaliação

Prós

  • Design elegante
  • Desempenho sólido
  • Recarga super rápida
  • Entrada para fones de ouvido

Contras

  • Taxa de atualização de 60 hz
  • Bordas grandes ao redor da tela
  • Baixo nível de brilho do display

Para quem é o Realme 7 Pro?

A Realme não esconde de ninguém sua estratégia de mercado. "Ouse expandir" e "ouse prosperar" foram os slogans que a marca adotou ao longo de 2020. O plano é claro, lançar um smartphone em cada faixa de preço para cada tipo de consumidor (tipicamente jovem) e esmagar a concorrência. Nesta linha, o Realme 7 Pro é voltado para compradores que valorizam a fotografia e a recarga rápida no lugar da multitarefa e telas com animações suaves.

Com preço de R$ 2.999 (8/128 GB), o Realme 7 Pro é um smartphone elegante que pode ser recarregado de zero a 100% em pouco mais de meia hora. Some a isso a personalização da nova Realme UI 2.0 baseada no Android 11 e temos um produto que pode atrair um público jovem e moderno, com as opções de cores Mirror Silver e Mirror Blue.

O que gostamos no Realme 7 Pro...

Desempenho

A Realme chamou a atenção ao oferecer processadores mais sofisticados do que os rivais nas mesmas faixas de preço. O "intermediário" X50 Pro 5G, por exemplo, traz o mesmo Snapdragon 865 encontrado no topo de linha Samsung Galaxy S20 nos EUA.

O Realme 7 Pro possui um processador Snapdragon 720G de oito núcleos. É praticamente o mesmo chip usado no Google Pixel 4a (730G). Usei o Pixel 4a como meu aparelho principal durante sete semanas antes de testar o Realme 7 Pro e não notei nenhuma queda no desempenho durante o uso diário. É claro que ficam de fora os recursos exclusivos do Pixel e as atualizações em primeira mão do Android, mas se o Pixel 4a atende o seu padrão de uso, com o Realme 7 Pro não será diferente.

Este processador é fabricado usando um processo de 8 nm, ele é equipado com uma CPU Kryo 465 com dois núcleos Cortex-A76 de alto desempenho a até 2,3 GHz e seis núcleos Cortex-A55 de alta eficiência a até 1,8 GHz, com a GPU Adreno 618, a mesma do Snapdragon 730G. Em comparação com a geração anterior, o Snapdragon 720G tem uma melhoria de 10% na performance da CPU e uma melhoria de 75% na performance da GPU.

Comparação do Realme 7 Pro:

  Realme 7 Pro (720G) Google Pixel 4a (730G) OnePlus Nord (765G)
3D Mark Sling Shot Extreme ES 3.1 2.523 2.467 3.219
3D Mark Sling Shot Vulkan 2.368 2.267 3.002
3D Mark Sling Shot ES 3.0 3.551 3.542 4.425
Geekbench 5 (single/multi) 575 / 1.784 548 / 1.618 605 / 1.936
PassMark RAM 20.637 19.385 21.799
PassMark armazenamento 42.774 47.659 64.489

Recarga rápida

O sistema de recarga SuperDart com 65W é ideal para o público mais jovem, sempre em busca de uma carga extra. Você pode completar a bateria do Realme 7 Pro em 34 minutos. Em apenas três minutos, a carga pode chegar a 13% — o que segundo a Realme é suficiente para três rodadas de PUBG, duas horas na linha do tempo do Instagram ou 150 minutos de YouTube.

De acordo com a fabricante, o Realme 7 Pro oferece até quatro dias de autonomia em modo de espera, mas você mal tocaria o telefone para chegar nesse número. Comecei a testar a afirmação, e depois de dois dias a bateria ainda estava com mais de 50% de carga, mas como precisei usar o aparelho novamente vou ter que acreditar nas palavras da Realme.

Ter um dia inteiro de autonomia em um smartphone como este (você tem) perde um pouco a importância quando você tem uma recarga rápida de 65 W. Carregue-o por cinco ou dez minutos se você ficar com a bateria baixa e o smartphone funcionará por um bom tempo.

Redução de medidas

Se você já experimentou um smartphone da Realme talvez já tenha uma ideia de onde quero chegar. A marca oferece especificações competentes a preços acessíveis, mas o projeto dos telefones tem permanecido praticamente inalterado por algum tempo. Com o Realme 7 Pro, senti pela primeira vez um avanço na construção dos celulares da marca.

Em comparação com o X50 Pro 5G, por exemplo, o 7 Pro é visivelmente mais fino e mais confortável na mão. Ainda não chegamos no nível de conforto de algo como um OnePlus 8 ou LG Velvet, mas este é um passo na direção certa para a Realme.

NextPit Realme 7 Pro side button
O Realme 7 Pro é mais fino e mais elegante do que outros telefones da marca / © NextPit

O plugue para fones resiste

Pode me chamar de velho, mas tenho uma preferência por smartphones com a tradicional entrada para fones de ouvido. As opções Bluetooth são ótimas, mas elas ainda não superam o som de um bom par com fio, especialmente se você se enquadra no time dos audiófilos. Não chega a ser um grande diferencial encontrar a entrada para fones em um celular abaixo dos R$ 3.000, já que a maioria dos modelos nessa faixa de preço mantêm a opção, mas continua importante quem ainda não está pronto para abrir mão de seus fones com fio favoritos.

NextPit Realme 7 Pro usb
USB-C e uma entrada para fones de 3,5 mm / © NextPit

O que não gostamos no Realme 7 Pro...

Cadê a tela de 90 hz?

A tela do Realme 7 Pro tem seus altos e baixos. Embora a tecnologia tenha sido atualizada em relação ao Realme 6 Pro, lançado menos de um ano antes, um importante recurso foi abandonado. O preço pago pelo upgrade da tela LCD IPS para uma Super AMOLED foi a perda da taxa de atualização de 90 hz.

O Realme 7 Pro traz uma tela de 6,4 polegadas Super AMOLED com uma taxa de atualização de 60 hz e amostragem de 180 hz. Comparado com um painel LCD, o OLED tem um melhor desempenho em qualidade de imagem e eficiência energética, e é compatível com um sensor de impressões digitais sob a tela. Mas a falta de uma taxa de atualização de 90 hz ainda é um golpe para aqueles que gostam de animações mais suaves.

Essa decisão foi tomada provavelmente para melhorar a vida útil da bateria ou para reduzir o preço final, mas na minha opinião trata-se de um passo para trás em relação ao Realme 6 Pro.

NextPit Realme 7 Pro screen
A tela ganhou pontos com o AMOLED, mas a taxa de atualização de 90 Hz ficou de fora / © NextPit

A tela do Realme 7 Pro tem uma proporção de 20:9, resolução de 2.400 x 1.080 pixels (FHD+), aproveitamento de área frontal de 82,7%, brilho máximo de 600 nits e gama de cores NTSC em 98%. Ela é brilhante e nítida, mas deixa no ar a dúvida se custava adicionar uma taxa de atualização de 90 hz. O Realme X50, por exemplo, tem um preço semelhante e é equipado com uma tela super suave de 120 hz.

A câmara telefoto com zoom óptico de 2x do Realme 6 Pro também foi deixada de lado no 7 Pro, com um sensor de profundidade de 2 megapixels usado em seu lugar. Este é um sacrifício que posso aceitar, especialmente quando se pensa no público-alvo da Realme. Afinal de contas, o desfoque de fundo em selfies e retratos é mais atraente para os jovens de hoje do que um zoom que em muitos casos deixa a desejar.

realme 7 pro portrait
O modo retrato do Realme 7 Pro com desfoque de 1% (superior esq.), 50% (superior dir.) e 100% / © NextPit

Bordas ainda generosas

O segundo ponto fraco da tela nos modelos Realme recentes é a borda maior do que a as encontradas na concorrência. Embora seja exagero esperar um aproveitamento de área superior aos 90% como vemos nos modelos premium, o Realme 7 Pro parece um tanto defasado com as suas grandes bordas ao redor do display.

Claro que não se trata das enormes faixas encontradas nos smartphones Google Pixel ou no novo iPhone SE 2020, mas você sempre pode identificar um celular Realme pela frente, devido às bordas escuras e arredondadas. É uma característica de todos os aparelhos da marca e não necessariamente uma crítica ao 7 Pro em particular, mas considerando que a carcaça ficou mais fina — mostrando que a marca está na direção certa em termos de design —, gostaria de ver as bordas passando por uma dieta semelhante. O brilho em geral também poderia ser melhor, e eu tive alguma dificuldade com a visibilidade sob luz natural.

NextPit Realme 7 Pro front camera
As bordas do Realme 7 Pro são grandes demais para o meu gosto / © NextPit

Realme 7 Pro – Especificações Técnicas

Dimensões: 160,9 x 74,3 x 8,7 mm
Peso: 182 g
Tamanho da bateria: 4500 mAh
Tamanho da tela: 6,4 polegadas
Tecnologia da tela: AMOLED
Tela: 2400 x 1080 pixels (411 ppi)
Câmera frontal 32 megapixels
Câmera traseira 64 megapixels
Versão do Android: 10 - Q
Interface: Não disponível
RAM: 8 GB
Memória interna: 128 GB
Memória removível: microSD
Conectividade LTE, NFC, Bluetooth

Veredito Final

O Realme 7 Pro é, de certa forma, o que se espera de uma marca em rápida ascensão. A Realme não pensa duas vezes em mostrar a que veio, inundando os mercados asiáticos e europeu com smartphones. O plano é claro, alcançar o público jovem, oferecendo o que eles buscam a um preço que podem pagar.

NextPit Realme 7 Pro camera
A lente teleobjetiva do Realme 6 Pro desapareceu, mas foi adicionado um sensor de profundidade / © NextPit

Embora o Realme 7 Pro seja, de certa forma, um upgrade do 6 Pro lançado meses antes — um corpo mais fino, melhores fotos no modo retrato graças ao novo sensor de profundidade, e a recarga mais rápida da categoria — há áreas em que o novo smartphone é um verdadeiro downgrade, como a perda da tela de 90 hz e da câmera telefoto.

O que temos aqui é um smartphone adaptado às exigências do público-alvo. A Realme fez sacrifícios claros em áreas em que acredita que os jovens não vão se importar, para dar os recursos que ela acha que irão agradar mais.

É uma estratégia interessante, e que poucos fabricantes adotam de maneira tão radical, já que a maioria dos concorrentes segue uma abordagem de tamanho único, tentando fisgar todos os tipos de consumidores com apenas uma ou duas versões.

Esse deve ser o lado positivo dos mais de 20 lançamentos em smartphones da Realme em dois anos no exterior. Lá fora, se você faz questão de uma tela de 90 hz ou 120 hz, é possível encontrar vários outros celulares Realme com o recurso pelo mesmo preço.

O portfólio de produtos globais da Realme parece seguir a receita fast fashion, com uma variedade imensa de opções e lançamentos frequentes. A fórmula fez muito sucesso entre as marcas de roupas para jovens e, pelo menos para mim, vai ser interessante acompanhar qual será o efeito dela para a Realme nos próximos anos e se a representante da marca no Brasil vai abraçar a estratégia.

ÚLTIMOS ARTIGOS

2 Comentários

Escreva um comentário:
Todas as mudanças foram salvas. Não há rascunhos salvos no seu aparelho.
Escreva um comentário:
Todas as mudanças foram salvas. Não há rascunhos salvos no seu aparelho.

  • Eu sinceramente adorei esse aparelho, pois entrega muito mais que a concorrência vem entregando. Possui ainda áudio estéreo, ótima bateria, que para todos nós é fundamental. Estou tentado em comprar esse aparelho. Fizeram um teste com ele e teve resistência a água, embora eu nunca recomende.

    A Realme vai derrubar a Samsung, o 7 Pro além de ter bateria, tem ainda carregador de 65w que segundo a Realme não esquenta o aparelho.

    Estou analisando reviews do S21 e 7 Pro, pelo conjunto da obra devo comprar, nó entanto falta cair o preço para 1900 em lojas oficiais, pois Mercado Livre não compro.

    Tomara que faça barulho mesmo, chega dessas empresas como Samsung e Motorola explorarem o consumidor. Além da Realme Ui ser bem fluida, testei e gostei.


  • Estratégia interessante por parte da Realme , nunca usei está marca , mas ela me interessa pois apresenta bom custo x benefício.