Enquete da semana: noticiar vazamentos é parte da cobertura jornalística

Atualizado: resultados analisados
Enquete da semana: noticiar vazamentos é parte da cobertura jornalística

Boatos e rumores sobre celulares ou outros produtos de tecnologia fazem parte do dia a dia da mídia e não parecem incomodá-los, pelo menos de acordo com os resultados de nossa enquete da semana passada.

Perguntei a vocês sobre a importância dada aos vazamentos e rumores nos sites de tecnologia. O objetivo é ver que credibilidade vocês dão a essas fontes e principalmente o que vocês acham do uso dos boatos como fontes de notícias. 

Boatos já parecem normais para o público

Tirando os leitores brasileiros, o público do NextPit disse que ver vazamentos aparecerem em artigos da imprensa não incomodam. No caso dos leitores do site em inglês, a taxa de aceitação ultrapassa 60% sem muita surpresa. O público de tecnologia é muito mais variado e engajado na Índia e nos EUA do que na Europa, com uma relação diferente com a mídia, especialmente nos Estados Unidos, favorecendo fontes “alternativas”. 

“Do ponto de vista da mídia, claro, não há nada melhor, já que essa é na maioria das vezes a primeira notícia publicada sobre um produto e a repercussão é forte”, diz Sebastian, um leitor alemão. Em seguida, para qualificar: "Um vazamento é apenas um rastro de pólvora que atravessa a mídia. E seria estranho se os vários sites não falassem sobre isso."

Na França, Alemanha e Brasil, a taxa de aceitação também é majoritária, mas muito mais condicionada à natureza do vazamento e sua origem, ou seja, ao próprio vazamento, segundo 39% dos leitores alemães e 26% dos leitores franceses.

No Brasil, essa aceitação condicional conquistou até mais votos (44%) do que a aceitação irrestrita, ilustrando a importância da qualidade do boato e do informante para ser considerado uma fonte legítima de informação.

Noticias baseadas em vazamentos parecem normais para voce
A aceitação de vazamentos na mídia de tecnologia é bastante condicionada / © NextPit

Uma condição de confiabilidade perfeitamente ilustrada pelas respostas à nossa segunda pergunta, que diz respeito à distinção que você faz — ou não — entre um informante bom e um não confiável. A maioria dos leitores do NextPIt faz essa distinção, quase 60% no caso dos nossos leitores .COM e alemães. 

Na França, a indiferença recebeu a maioria dos votos (47%), o que é bastante lógico quando sabemos que a maioria dos leitores aceita ver vazamentos na imprensa de tecnologia sem condições, conforme ilustrado na primeira pergunta. 

Mais uma vez, é no Brasil que os vazadores apresentam o menor nível de confiança. Segundo o leitor Jairo Rios, "Sinceramente... [A] maioria dos pseudo "vazamentos", são oriundos das fabricantes apenas para gerar hype e relevância".

Voce acha que existem informantes bons e ruins
Público dá importância para os diferentes informantes e fontes de rumores / © NextPit

Boatos de tecnologia interessam, mas não a qualquer custo

Nesta última pergunta, o objetivo era saber se você queria que o NextPit continuasse noticiando ou mesmo analisando rumores de tecnologia. A maioria dos leitores de todos os nossos sites respondeu "Sim", mas com a condição de que haja um verdadeiro trabalho de análise. 

Um ponto interessante também foi levantado por kukrapok, um leitor francês. Segundo ele, “muitas vezes há tanta condicionalidade que não vale nada em termos de informação, ela preenche o vazio enquanto aguarda o lançamento de uma notícia real como um apresentador de telejornal que aguarda a libertação dos reféns en 'não tem informações para transmitir, mas deve manter o ouvinte conectado."

Uma reflexão interessante e que considero bastante correta, pessoalmente. Na enquete original (abaixo), falei sobre o tempo jornalístico, o processo com o qual você realmente precisava de um jornalista para tratar de um assunto. E mencionei que esses processos são cada vez mais raros, especialmente em tecnologia. 

Falar sobre vazamentos, analisá-los, checá-los, nada mais é do que um novo tempo jornalístico que permite não só à mídia, mas também ao seu público, preencher um vazio. Um vácuo que a cultura do imediato, o consumo da informação de massa criou.

Voce quer que o NextPit continue escrevendo sobre vazamentos e boatos
Vocês não querem que a mídia cubra qualquer vazamento / © NextPit

De qualquer forma, é a qualidade dos vazamentos em si, bem como a qualidade do seu tratamento midiático pela imprensa especializada que parecem condicionar esse canal de informação que já não é tão novo em 2021.

Estes foram os resultados da enquete da semana passada. Agradeço a todos os participantes e também aos membros da comunidade que desenvolveram suas ideias nos comentários. Fique à vontade para sugerir tópicos sobre os quais gostaria de ser consultado e compartilhar seu feedback sobre minha análise nos comentários. 


Artigo original

Boatos, rumores e vazamentos são acontecimentos comuns na imprensa especializada em tecnologia, e com o NextPit não é diferente. Mas por que esses vazamentos, que nem sempre são bem fundamentados e cujas fontes às vezes são duvidosas, são aceitos pelos jornalistas e especialmente por seus leitores? Seja bem vindo à enquete da semana. 

Nesta semana, gostaria de apresentar uma pesquisa mais ampla, menos concreta do que o habitual e, portanto, o objetivo principal não é decidir definitivamente uma pergunta, mas sim lançar uma reflexão. E um tweet de Marquees Brownlee reclamando sobre os vazamentos do iPhone 13 que inspirou esta pesquisa.

mkbhd rumors tweet
Vazamentos de produtos Apple são alguns dos mais absurdos / © Marquees Brownlee/Twitter

Este é talvez o fenômeno que mais me chocou no início da minha carreira de jornalista de tecnologia. Em meus dias no HuffPost, teria sido inimaginável escrever uma história baseada em boatos, fofocas ou qualquer coisa semelhante. Não tenho certeza se poderia ter escrito um artigo baseado em rumores, mexericos ou qualquer outra reclamação sem ter certeza de que poderia fornecer provas factuais ou pelo menos uma fonte confiável.

Não estou falando de artigos de investigação ou relatórios que dependem de fontes necessariamente anônimas para garantir sua proteção. Não, quero dizer que enquanto posso escrever um artigo sobre a ficha técnica do Samsung Galaxy S22 um ano antes de seu lançamento sem que nenhum elemento tangível seja publicado, seria impensável fazer o mesmo sobre um tema social, por exemplo.

Você está chocado com vazamentos de tecnologia na imprensa?

É ainda mais marcante quando se considera o nível de desconfiança da mídia e o clima de hostilidade em relação à chamada imprensa "mainstream".

Como meu colega Stefan bem lembrou, somente no jornalismo esportivo ou na imprensa de celebridades existe uma lógica editorial equivalente. Talvez isto se deva ao fato de estarmos lidando com tópicos de nicho, onde os leitores são pelo menos tão conhecedores quanto os jornalistas. A abordagem pedagógica e de acompanhamento do tratamento da informação seria então menos importante.

Talvez seja também uma questão de interesses em jogo? Um artigo sobre um boato de um celular, como um artigo sobre uma transferência do Neymar, é menos importante ou pelo menos fundamental para a vida da cidade do que um artigo de notícia ou um relatório político. Portanto, talvez sua exatidão factual não seja um critério tão importante quanto em outros lugares.

Em qualquer caso, a Samsung nunca confirmará oficialmente nada sobre o Galaxy S22 fora de sua própria fase de divulgação. Se o rumor de um módulo de câmera de 200 MP é verdadeiro ou falso, talvez não nos importe no final das contas. Talvez o importante seja o debate e a discussão em torno deste fato potencial que torna o artigo interessante e assim facilita sua aceitação junto aos leitores.

Notícias baseadas em vazamentos parecem normais para você?

Existem bons e maus vazamentos?

Na minha opinião, a razão pela qual os vazamentos são tão populares e apreciados pelo público é porque o tempo jornalístico é muito limitado quando se trata de tecnologia.

Quando digo "tempo", quero dizer os tempos em que um jornalista técnico é realmente necessário. Aqueles momentos em que o jornalista tem acesso privilegiado a informações que de outra forma o público nunca obteria.

Essas ocasiões são menos frequentes e menos sistemáticas na imprensa de tecnologia do que na imprensa em geral. Para a tecnologia, os principais momentos jornalísticos são as conferências das fabricantes, o período de embargo antes do lançamento de um produto e entrevistas com os gerentes de marca ou qualquer outra grande figura da indústria.

Você, como leitor, tem menos probabilidade de poder conversar com Tim Cook do que eu, por exemplo. Também é menos provável que você seja capaz de testar o Samsung Galaxy Z Fold 3 antes de seu lançamento. E esse é o objetivo de um Jon Prosser, independentemente de você gostar dele ou achá-lo confiável ou não.

O fato é que estas pessoas estão fazendo um trabalho de fato que, reconhecidamente em parte, é semelhante ao jornalismo. O fato de Jon Prosser ter feito contatos exclusivos dentro da Apple lhe dá acesso que quase nenhum jornalista como eu pode reivindicar. É isso que torna seus vazamentos tão valiosos.

Por outro lado, um micro-influenciador quase anônimo que recebeu um comunicado de imprensa como todo mundo e simplesmente decidiu quebrar o embargo e publicar tudo antes de qualquer outra pessoa, esse não é um verdadeiro leaker aos meus olhos. Seu trabalho só é valioso pela exclusividade temporária que ele fraudulentamente assumiu para si mesmo.

Nesta lógica, minha lógica, haveria bons vazamentos e maus vazamentos. O que você acha?

Você acha que existem informantes bons e ruins?

Você quer continuar acompanhando os vazamentos de tecnologia no NextPit?

Seria desonesto concluir este artigo sem instigar alguma autocrítica no NextPit. Sim, meus colegas e eu cobrimos regularmente os vazamentos de celulares.

Esta decisão editorial é obviamente parcialmente motivada por razões de tráfego SEO e Google. Se ninguém estivesse interessado em vazamentos, ninguém falaria sobre eles, o que parece óbvio. Mas, sem se fazer de santo, a decisão de cobrir os vazamentos também é impulsionada por uma lógica de serviço.

Como nossos leitores parecem estar interessados em vazamentos, e como muitos vazamentos vêm de fontes não confiáveis, este é um novo momento jornalístico em que a interpretação e a verificação de fatos de um jornalista que conhece seu assunto pode ser necessária.

Você concorda com meu raciocínio? Você acha que a análise de vazamentos pode trazer um valor jornalístico adicional que você gostaria de ver no NextPit?

Você quer que o NextPit continue escrevendo sobre vazamentos e boatos?

Esta pesquisa acabou ficando um pouco mais filosófica e muito mais longa do que o habitual. Como sempre, gostaria de agradecer antecipadamente àqueles que vão participar e compartilhar suas ideias nos comentários. Quero apenas desejar um bom fim de semana e marcar um encontro na segunda-feira para revelar e analisar os resultados.

ÚLTIMOS ARTIGOS

2 Comentários

Escreva um comentário:
Todas as mudanças foram salvas. Não há rascunhos salvos no seu aparelho.
Escreva um comentário:
Todas as mudanças foram salvas. Não há rascunhos salvos no seu aparelho.

  • Alexandre há 4 semanas Link para o comentário

    Pra mim não faz diferença, não consumo esse conteúdo de vazamentos nem vou atrás - logo só vejo o que sai oficialmente (que é o que importa).


  • Jairo rios há 1 mês Link para o comentário

    Sinceramente......maioria dos pseudo "vazamentos", são oriundos das fabricantes apenas para gerar hype e relevancia