Review do Nothing Ear (1): muito barulho por (quase) nada

Review do Nothing Ear (1): muito barulho por (quase) nada

Depois de uma exuberante campanha de marketing, será que o Nothing Ear (1) é realmente mais do que apenas mais um par de fones de ouvido sem fio TWS com ANC por menos de R$ 800? Nem tanto, mas será que isso é necessariamente ruim? A resposta você confere neste teste completo.

Avaliação

Prós

  • Som correto e neutro
  • Tamanho compacto e design elegante
  • Recarga sem fio
  • Cancelamento de ruído bastante eficaz

Contras

  • Aplicativo limitado e controles de toque
  • Sem codec HD
  • O hype gerado pelo marketing foi muito maior que o resultado
  • Duração média da bateria

Nothing Ear (1) direto ao ponto

O Nothing Ear (1), o primeiro produto da nova empresa criada por Carl Pei, o filho pródigo da OnePlus. Foi anunciado em 27 de julho e está disponível no primeiro mundo desde agosto de 2021 por um preço de 99,99 euros, cerca de R$ 620,00 em conversão direta.

E o fato é que os fones de ouvido devem ter vendido muito bem já que na data de publicação deste review eles estão fora de estoque na loja oficial e realmente não podem ser obtidos. Só os encontrei em pré-venda na Amazon alemã para entrega a partir de 19 de setembro.

A Nothing vende os fones Ear (1) na Colômbia e Chile, mas não tem previsão de chegada ao Brasil.

NextPit Nothing Ear 1 case open
Visual minimalista também se aplica ao estojo de recarga / © NextPit

Isto não chega a ser surpreendente, pois pelo preço cobrado, o Nothing Ear (1) oferece um ANC correto, carregamento sem fio e certificação IPX4. No papel, e mesmo em uso, a relação custo-benefício é bastante sensata.

No entanto, o marketing pseudo-filosófico com citações sobre computação ambiental e os delírios em torno do design supostamente disruptivo e revolucionário desses fones francamente me deixaram querendo mais. E é aqui que, na minha opinião, a Nothing deu um tiro no próprio pé. O Nothing Ear (1) são bons fones de ouvido TWS, mas nada além disso.

Em resumo, quando você força um hype mirabolante e cria tanta expectativa, entregar um produto que seja "apenas" bom é bastante decepcionante na minha opinião.

Design: olhando através de você

O destaque pré e pós lançamento do Nothing Ear (1) é sem sombra de dúvidas o design. Foi o elemento mais dominante de sua campanha de marketing e talvez também o mais decepcionante.


Gostei:

  • Formato semi-integrado, compacto e leve;
  • Estojo magnético chama a atenção;
  • O trabalho em torno da embalagem minimalista.

Não gostei:

  • Visual lembra um Airpods Pro transparente, não é exatamente revolucionário;
  • Uma pequena folga na dobradiça do estojo.

NextPit Nothing Ear 1 test Antoine
As dimensões de 28,9 x 21,5 x 23,5 mm do Nothing Ear (1) permitem que eles sejam discretos e confortáveis de usar / © NextPit

O Ear (1) se esforça muito para serem descolado. De qualquer forma, é disso que se trata, uma empresa que é tão moderna que nem precisa de um nome ou de se preocupar com seu horrível ranking do Google.

E, francamente, à primeira vista, funciona muito bem. Vamos começar com a embalagem, na qual a Nothing parece ter se dedicado bastante. A caixa é muito compacta, aproximadamente do tamanho de um baralho de cartas Yu-Gi-Oh! (desculpe pela referência) ou 50% maior que um maço de cigarros (desculpe novamente).

Você o abre rasgando uma aba como em uma embalagem de goma de mascar (o que mata um pouco o valor de revenda). Quase parece como desembrulhar um brinquedo ou presente.

NextPit Nothing Ear 1 case
A caixa é sólida e plana o suficiente para permanecer compacta apesar de suas dimensões de 58,6 x 58,6 x 23,7 mm e seu peso de mais de 50 gramas./ © NextPit

O esteojo transparente mistura diferentes materiais com elementos metálicos na fechadurara e na dobradiça e um corpo de plástico branco que emula a superfície  texturizada de uma bola de golfe. Tudo isso, é claro, em um invólucro transparente.

Fora uma pequena folga na dobradiça, o estojo parece sólido e a resistência ao fechar/abrir é bastante satisfatória. Os pontos magnéticos para fixar os fones de ouvido não são os mais ergonômicos, mas garantem uma fixação bastante estável.

NextPit Nothing Ear 1 case usb
A Nothing parece ter sido muito exigente na escolha de materiais e seus processos de fabricação e montagem / © NextPit

Mas foi o design dos próprios fones de ouvido Nothing Ear (1) que me decepcionou. O formato de ajuste aberto é confortável e os fones de ouvido são muito leves com apenas 4,7 gramas. Mas sinceramente, remova o plástico transparente que cobre as hastes e aplique um revestimento branco opaco, e você terá mais um clone dos AirPods Pro.

Para uma marca que afirma ser pioneira em design e tem zombado corretamente de seus concorrentes por fazer mais do mesmo, parece até hipocrisia. Especialmente porque os líderes de mercado como Sony e seu WF-1000XM4 ou Samsung e seus Galaxy Buds Live oferecem um visual muito mais original.

NextPit Nothing Ear 1 headphones
Parece uma modificação Cyberpunk para o AirPods Pro, não parece? / © NextPit

Há alguns detalhes bonitos, claro; os pontos coloridos para distinguir o fone de ouvido esquerdo do direito, ou o nome do produto gravado que me faz lembrar os letreiros LED. Você pode ver que o interior foi projetado para ser bonito e que a Nothing usou apenas plástico transparente sem tocar em mais nada. Mas este visual é realmente assim tão inovador? Não na minha opinião.

Provavelmente é em parte culpa minha, porque fiquei tão entusiasmado com estes fones de ouvido, mas o Nothing Ear (1) forçou tanto na estratégia de descolada e "disruptiva" que chega a ser irritante.

NextPit Nothing Ear 1 inside detail
Prefiro este formato semi-aberto ao design totalmente intra-auricular / © NextPit

O Nothing Ear (1) tem um design pensado para chamar a atenção. "Uau, eles são transparentes". E aparentemente o nível de exigência da marca em termos de qualidade de fabricação e seleção de materiais foi táo alto que tiveram dificuldade em encontrar fornecedores para algumas peças.

Além disso, há um pequeno espaço na tampa do estojo que permite transformá-lo em um fidget spinner... Tudo isso é ótimo, mas não passa de papo de vendedor na minha opinião. Há uma expressão em inglês para isso: try hard. A Nothing prometeu muito muito e não entregou o suficiente.

Qualidade de áudio: bom som equilibrado

Na parte sonora, o Nothing Ear (1) é equipado com drivers de 11,6 mm, com uma assinatura de áudio que se destina a ser o mais neutro possível.


Gostei:

  • Som correto e coerente com seu preço;
  • Assinatura de áudio plana e neutra;
  • Suporte para Bluetooth 5.2.

Não gostei:

  • Sem HD codec (mas bastante perdoável a este preço);
  • Os graves não tem o impacto necessário.

NextPit Nothing Ear 1 white
Cancelamento de ruídos competente / © NextPit

Bem, eu não vou ser o tipo de hipster que conta a faixa de freqüência das músicas favoritas no Deezer. Sim, é bom quando um avaliador ilustra suas impressões com exemplos de canções ou mesmo passagens específicas. Mas cá entre nós, é um pouco esnobe demais e é especialmente supérfluo para um par de fones não-audiófilos na faixa de preço do Ear (1).

Vamos direto ao assunto. Usei o Nothing Ear com minha conta Spotify e ouvi as músicas em ogg vorbis a 320 kbps (com a configuração de qualidade "muito alta"). E o Nothing Ear (1) não é nada excepcional. A qualidade é melhor do que a de rivais mais acessíveis, mas é como o Airpods Pro, é um som de qualidade, nada mais.

A assinatura de áudio é equilibrada, de modo que nenhuma faixa de freqüência (graves-médios-agudos) é mais privilegiada do que outra. Isto é o oposto do que quase todos os concorrentes na Nothing nesta faixa de preços estão fazendo, que é exagerar nos graves.

Aqui, temos um som mais sutil. Os graves são muito dinâmicos, mas não estão presentes o suficiente para o meu gosto. Os mids (vozes, instrumentos) são precisos mesmo que os fones de ouvido tenham dificuldade com peças muito acústicas misturando várias vozes e instrumentos ao mesmo tempo. E os agudos têm um pouco de dificuldade com a sibilância dos sons em S e uma tendência a atingir uma saturação com volume alto.

Por outro lado, o "ambiente estereofônico" é bem abrangente, o que é muito imersivo em games, vendo uma série ou filme ou ouvindo músicas em áudio 360. Faltam ao Ear (1) o suporte a codecs de áudio mais avançados, incluindo apenas os padrões SBC e AAC , mas para esta faixa de preço, esta é uma ausência 100% perdoável.

Pelo preço de tabela, o Nothing Ear (1) oferece um som melhor do que você esperaria na faixa em torno dos 100 euros (R$ 620). Mas, no final, ainda é bastante mediano. Sim, ele é bom para o segmento, mas em termos absolutos, estes fones de ouvido também não são revolucionários.

ANC e microfones: redução ativa mista

O Nothing Ear (1) apresenta redução ativa de ruído (ANC) com três microfones embutidos em cada fone, permitindo que o ANC seja aplicado à sua própria voz durante as chamadas.


Gostei:

  • ANC é bastante eficaz no nível máximo;
  • Bom isolamento passivo.

Não gostei:

  • Qualidade de microfone decepcionante;
  • ANC de vozes não é muito eficaz.

O Nothing Ear (1) tem um design semi-aberto. Não são, portanto, completamente in-ear (intra auricular), mas o isolamento de ruído passive (que é baseado nos materiais e na ergonomia do design) é bastante bom.

A redução de ruído é chamada de "híbrida" e é baseada em três microfones por fone de ouvido, um dos quais é posicionado na lateral do alto-falante para corrigir o processamento de áudio em tempo real. De acordo com a fabricante, os fones de ouvido são capazes de reduzir o ruído ambiente em até 40 dB.

O ANC não é adaptável, você pode ou ligá-lo ou desligá-lo. No entanto, ele oferece 2 níveis de intensidade, um modo Leve e um modo Máximo. Só achei o modo Max bastante eficaz. Os ruídos sólidos (resultantes do contato entre duas superfícies) e os ruídos contínuos (ventilador, sons de carros) são geralmente bem atenuados.

Há também um modo de transparência que faz o que todos os outros modos de transparência em todos os outros fones de ouvido fazem: amplificar o ruído ambiente.

Para as chamadas de voz e/ou vídeo, achei a qualidade dos microfones bastante decepcionante. O recurso de redução de ruído de voz para isolar sua voz de seu ambiente sonoro nunca me pareceu útil, ou pelo menos seus efeitos não foram perceptíveis o suficiente. Mesmo dentro de casa e sem poluição sonora, a voz é abafada e a "definição" deixa a desejar.

No geral, o ANC é suficientemente eficaz para a maioria das situações. Mas o desempenho dos microfones é francamente decepcionante, especialmente porque a fabricante insistiu em sua tecnologia ANC de voz e em seus já citados três microfones.

Recursos: um aplicativo agradável, mas limitado

O Nothing Ear (1) oferece controles de toque, bem como um aplicativo complementar e uma gama bastante abrangente de recursos.


Gostei:

  • Boa interface no app complementar;
  • Controles de toque limitados mas responsivos;
  • Possibilidade de uso mono.

Não gostei:

  • Sem opção de Bluetooth multiponto;
  • Muita latência;
  • Sensor de uso muito sensível;
  • Aplicativo somente em inglês.

NextPit Nothing Ear 1 case hand
O estojo do Nothing Ear (1) / © NextPit

O aplicativo Ear companion (1)

O aplicativo companheiro da Nothing está disponível para Android ou iOS. Sua interface é limpa e muito fácil de entender. Há dois botões: Hear ou Touch. Hear permite gerenciar o ANC e a equalização enquanto o Touch permite personalizar os controles de toque para cada fone de ouvido.

As opções de personalização são muito limitadas. O ANC tem apenas dois níveis de intensidade e a equalização não é ajustável ao seu gosto, com a Nothing apenas oferecendo uma série de pré-definições, e os controles de toque não oferecem muito mais. Há ainda um modo "Find My Earbud" para ajudar você a encontrar os fones perdidos em um sofá, por exemplo.

Eu também aconselho desativar o sensor de uso nas configurações, pois ele é muito sensível e pausa a música de forma indesejável. A ideia do recurso é saber quando o fone foi tirado do ouvido para interromper a reprodução de música, mas registrou falsos positivos no teste.

nothing ear 1 review app 1
O equalizador poderia oferecer controles de... equalização / © NextPit

Controles de toque

Por padrão, você tem três gestos em ambos os lados. Toque duplo para interromper a música. Toque triplo para saltar para a próxima faixa e toque longo para alternar entre os diferentes modos de redução de ruído. Finalmente, deslizar o dedo ao longo da haste permite alterar o volume.

Na prática o funcionamento é bastante estranho, já que o volume controlado por toque não é o volume da origem (seu celular, notebook), mas o dos fones de ouvido, o que acaba sendo confuso. No aplicativo, você pode reatribuir os gestos para o lado da sua escolha. Mesmo que o toque longa não sirva para outro fim além de ativar o ANC, não se pode atribuí-lo de outra forma. Isto reduz muito as possibilidades de personalização. Mas os controles de toque foram bastante responsivos em meu teste.

nothing ear 1 review app 2
Os controles de toque são responsivos / © NextPit

Conectividade

O Nothing Ear (1) se comunica usando o padrão Bluetooth 5.2, mas infelizmente eles não oferecem conectividade multiponto para vários dispositivos ao mesmo tempo.

Cada fone de ouvido pode ser usado em modo mono, desde que o sensor de uso esteja ativado. O sinal estéreo é então reproduzido em mono no único fone de ouvido deixado em seu ouvido, o que é realmente útil.

Outro inconveniente é que a latência é bastante alta. Mesmo nas plataformas de streaming de vídeo que possuem mecanismos de software para compensar a latência, percebi uma clara defasagem entre o som e a imagem. E foi ainda mais irritante nos games que não possuem controles de compensação. Eu não cronometrei, mas alguns dos atrasos foram facilmente tão longos quanto 1 segundo, o que é enorme.

Em geral, o Nothing Ear (1) oferece mais recursos que a maioria de seus concorrentes nesta faixa de preço. O sensor de uso, embora excessivamente sensível, é uma característica muito rara em um par de fones abaixo de R$ 1.000. O aplicativo também é muito limpo e, ainda que as opções de personalização sejam muito limitadas, tudo funciona de maneira correta.

Duração da bateria: média, mas a carga sem fio compensa

O Nothing Ear (1) está equipado com uma bateria de 31 mAh em cada lado, enquanto o estojo de recarga contém uma bateria de 570 mAh.

De acordo com a Nothing, os fones de ouvido têm uma duração de 4 horas com redução de ruído ligado e 5,7 horas sem. A vida útil da bateria é aumentada para 24 ou 34 horas (ANC ligado ou desligado) com o estojo de carga. Este é um desempenho mediano e claramente não está no topo do ranking, mesmo nesta faixa de preço.

NextPit Nothing Ear 1 case open side
A recarga sem fio Qi é uma boa adição para o Ear (1) / © NextPit

No uso real, consegui facilmente usar mais de 4 horas com o ANC permanentemente ativado no nível máximo e com um nível de volume bastante alto. Quanto à recarga, a Nothing promete que 10 minutos de recarga oferecem 1,2 hora de autonomia sem ANC ou 50 minutos com ela. Os fones de ouvido levam quase 1,5 hora para carregar completamente, o que também acho bastante longo.

O cabo USB-A para USB-C também é muito curto (cerca de 30 centímetros). Por outro lado, tenho que aplaudir a Nothing por oferecer a recarga sem fio Qi nestes fones de ouvido. Não é uma característica matadora, mas é raro encontrar o recurso nesta faixa de preço.

Em geral, a autonomia do Nothing Ear (1) é média, assim como o número de recargas permitidas pelo estojo e a velocidade de recarga. Apenas a recarga sem fio traz pontos nesta parte do teste.

A ficha de dados técnicos

Nothing Ear (1)

Dados técnicos
Componente Especificações
Drivers
  • Condutores dinâmicos de 11,6 mm
  • Câmara de 0,34 cm3
Codecs Bluetooth AAC/SBC
Faixa de freqüência desconhecido
ANC
  • Sim, até -40 dB (anunciado)
  • Modo de transparência
Bateria
  • Por fone de ouvido: 31 mAh
  • Estojo: 570 mAh
Duração da bateria
  • Com ANC: 4h com fones de ouvido, 24h com estojo = 5 recargas completas com estojo
  • Sem ANC: 5,7h com fones de ouvido, 34h com estojo = 5/6 cargas completas com estojo
Carregamento
  • USB-C com fio e Qi sem fio
  • 10 minutos de carga só com caixa = 1h20 sem ANC e 50 minutos com ANC
  • 10 minutos de carga com caixa na rede = 8h sem ANC e 6h sem ANC
Conectividade
  • Bluetooth 5.2
  • Perfis A2DP, AVRCP, HFP
Certificação IP IPX4
Aplicativo e EQ Sim: Android e iOS
Dimensões e peso
  • 28,9 x 21,5 x 23,5 mm e 4,7 g por fone de ouvido
  • 58,6 x 58,6 x 23,7 mm e 57,4 g para o estojo
Preço 99€ (R$ 620 em conversão direta)

Conclusão

O Nothing Ear (1) faz jus a todo o hype gerado? Não. Mas será que você pode dizer que um produto tem um preço exagerado quando o valor é mais do que competitivo? Não, não pode.

Sou uma dessas pessoas que acreditam que o marketing em torno de um produto é parte integrante da experiência de uso. A importância de cumprir a(s) promessa(s) e entregar um produto que seja fiel àquele que você divulgou é essencial. Seja em computação ambiental, chacoalhar o mercado ou originalidade, o Nothing Ear (1) não pareceu mostrar a que veio.

Mas em termos da boa e velha relação custo-benefício, é um produto muito convincente. Se eu quisesse comprar um par de fones de ouvido sem fio TWS e acessíveis e não tivesse muitas exigências, escolheria definitivamente o Nothing Ear (1). O ANC é muito bom, o som é equilibrado e há muitos recursos que normalmente não são encontradas nesta faixa de preço.

O Nothing Ear (1) não é excepcional, mas não é de forma alguma um produto ruim. Como uma empresa iniciante, entendo a escolha da Nothing de lançar um produto mais barato e de baixo risco. Mas como os fones não são tão excepcionais quanto poderiam ou deveriam (ou prometeram) ser, o Ear (1) é apenas mais um em uma longa trajetória de fones sem fio abaixo de R$ 1.000. Se esta é a ambição da Nothing como empresa, faltou um pouco de visão.

Sem comentários

Escreva um comentário:
Todas as mudanças foram salvas. Não há rascunhos salvos no seu aparelho.
Escreva um comentário:
Todas as mudanças foram salvas. Não há rascunhos salvos no seu aparelho.