NextPit

Enquete da semana: a polêmica da Xiaomi é motivo para se livrar do seu celular chinês?

Atualizado: resultados analisados
Enquete da semana: a polêmica da Xiaomi é motivo para se livrar do seu celular chinês?

Em quais marcas de celular você mais confia? Você tem alguma desconfiança com as fabricantes chinesas? Na semana passada, lançamos a primeira enquete do nosso termômetro de confiança. E temos que dizer que sua relação com as empresas chinesas é surpreendentemente saudável.

O caso Xiaomi vs. Lituânia não mudou muito sua relação com a marca

Antes de tratar das perguntas gerais que serão usadas para nosso termômetro, usamos o caso diplomático que envolve a Lituânia e a China e que pode ter colocado a Xiaomi no olho do furacão da disputa entre os dois países.

Apesar das revelações sobre riscos de censura e vazamentos de dados pessoais — o que a fabricante negou — a maioria de vocês não tem planos de se livrar de aparelhos Xiaomi no futuro. Em média, menos de 10% dos entrevistados disseram ter a intenção de se livrar de seu Xiaomi atual e nunca mais comprar um. Na França, entretanto, 14% de vocês disseram que manteriam seu Xiaomi atual, mas não comprariam outro aparelho da marca no futuro.

Voce pretende se livrar de seu celular Xiaomi Ou deixar de comprar aparelhos da marca no futuro
Comunidade se mostrou racional na primeira pergunta / © NextPit

A grande maioria, absoluta em todos os países, exceto no Brasil, concordou em manter o Xiaomi atual e continuar comprando da marca no futuro. Uma parte significativa dos entrevistados (43% no Brasil, 29% nos EUA & India, 24 e 27% na Alemanha e França) simplesmente disse que não tem um celular Xiaomi. Em todo caso, é certo que o alarmismo lituano da semana passada não levou a uma reação impulsiva, mas nestes casos é difícil para o consumidor separar o verdadeiro do falso, como apontou o leitor francês Ali Gator:

Nos últimos anos, tem se falado muito sobre suspeitas de espionagem, roubo de tecnologia, colaboração com o governo, etc., da Huawei, Xiaomi e praticamente todas as marcas chinesas, a maioria sem provas substanciadas. Em troca, os fabricantes chineses afirmam que não passam de mentiras e retaliações com negações, sem fornecer nenhuma prova real de sua boa fé.

Em meio a tudo isso, o consumidor nem sempre sabe como se posicionar. Estas acusações são verdadeiras e devem ser levadas a sério? Ou é uma forma de desestabilizar as marcas chinesas diante da sua ascensão? Ou é apenas a China em geral, apenas para piorar ainda mais as tensões diplomáticas? Ou talvez tudo o que foi dito acima? É difícil saber.

Xiaomi continua sendo uma marca confiável, mas muito, muito longe da Samsung

Finalmente, chegamos ao nosso termômetro. É claro que dos 4 domínios em que o NextPit é publicado, a Xiaomi não está presente nos Estados Unidos. Mesmo assim, estou muito surpreso que os leitores indianos de nosso site .COM não tenham empurrado a marca para cima (embora as relações diplomáticas entre a Índia e a China também sejam muito tensas).

Mas todos os nossos domínios, sem exceção, têm em comum o fato de classificarem a Samsung como a marca em que os leitores mais confiam, de longe. Em nosso site COM, a fabricante sul-coreano recebe 64% dos votos, comparado a 60% entre nossos leitores brasileiros e 56% na França. Na Alemanha, os votos estão muito mais próximos e a Samsung está certamente na liderança com 37%, mas seguida de perto pela... Xiaomi (35%).

Em quais marcas de celulares voce confia
A Samsung continua sendo a marca mais confiável / © NextPit

Este resultado me deixou surpreso. A seção de comentários do NextPit.de é, na minha opinião, a mais hostil aos produtos e serviços chineses. Realmente não esperava que a Xiaomi conseguisse este resultado. Especialmente porque a fabricante chinesa ficou à frente da Apple (26%), sendo que os leitores alemães estavam entre os mais apegados à Apple, ao contrário dos leitores franceses, por exemplo.

Vale notar que a Apple ainda está no top 5 das marcas de confiança, e que a Motorola/Lenovo continua com uma forte presença nas Américas, enquanto ela foi um pouco esquecida na Europa.

Há razões pelas quais eu evito principalmente as marcas chinesas. Eu uso Motorola que é feita na China pela Lenovo. Penso que quando estas marcas são mais orientadas para o exterior, é menos provável que elas tenham software controlado pelo Estado chinês. O que eles poderiam ter para a coleta estrangeira é uma questão à parte. Esta é uma das razões pelas quais eu gosto de root e custom ROMs.

Você não desconfia assim tanto das fabricantes chinesas

Na França e na Alemanha, a relativa maioria dos leitores diz não desconfiar das fabricantes chinesas (45 e 50%, respectivamente). Em nosso site COM, obtemos uma divisão 50/50 perfeito. Somente nossos leitores brasileiros parecem desconfiar das fabricantes chinesas, com 53% não confiando na marca e 22% indiferentes. Mais uma vez, esta maioria é bastante relativa, afinal de contas. Um leitor brasileiro, Paulo Ricardo, destacou:

Eu não trocaria, pois não há como escapar da atual guerra da informação. Se a coisa se agravar, custom roms são um amenizante, apesar que o hardware pode estar "contaminado". Mas atualmente esses problemas são mais notórios em aparelhos para o mercado chinês.
No final sempre estaremos sendo espionados, seja pela China ou EUA, já que documentos afirmam que a Google mantêm relações íntimas com CIA e NSA.

Voce desconfia dos celulares chineses
A taxa de desconfiança está longe de ser a maioria no geral / © NextPit

Podemos, portanto, dizer que a taxa de desconfiança em relação a Xiaomi e conterrâneas é muito relativa e de forma alguma uma maioria na Europa (como mostram os resultados da Alemanha e França). Mais uma vez, acho estes resultados surpreendentes, especialmente quando se trata de nossos leitores alemães. Mas um deles, Costwalker13, apontou uma falha em nossa pesquisa e um detalhe muito interessante:

Em suas pesquisas, a resposta "Não confio em nenhum fabricante de smartphone" está faltando.

Na verdade, eu sou o único que acha muito impressionante que eles quisessem destruir a Huawei primeiro e agora que a Xiaomi praticamente tomou o lugar da Huawei, ela é a próxima na lista sem nenhuma prova sólida ser fornecida?

Alguém acredita seriamente que outras empresas, especialmente as dos EUA, deveriam ser mais confiáveis?

Por que o Google, cujo modelo comercial como um todo (em toda a empresa) se baseia na coleta de dados pessoais e na venda de espaço publicitário com base nesses dados, deveria ser mais confiável? Afinal de contas, o tal "poder suave" (aquele que não é percebido à primeira vista) pode vir de todo o espectro diplomático.


Texto original

Você pretende se livrar de seu celular chinês como recomendou pelo vice-ministro da Defesa lituano, Margiris Abukevicius? Se você não acompanhou esta história, a Xiaomi e Huawei foram apanhadas na quarta-feira (22) por um relatório das autoridades lituanas. A investigação acusa alguns dos smartphones 5G dos fabricantes de colocar em risco a segurança cibernética, a proteção de dados e a liberdade de expressão de seus usuários no ocidente.

Tanto a Xiaomi quanto a Huawei reagiram rapidamente, negando as acusações e lembrando de seus compromissos para proteger os dados de seus usuários e seu cumprimento, ao pé da letra, à lei europeia de proteção de dados, GDPR, equivalente à brasileira LGPD.

O relatório lituano mudou sua relação com a Xiaomi?

Você pretende se livrar de seu celular Xiaomi? Ou deixar de comprar aparelhos da marca no futuro?

Em todo caso, toda fabricante de celular está sujeita a um escândalo em algum momento. E no NextPit, gostaríamos de lançar uma espécie de termômetro de confiança para as diferentes marcas. Lembre-se de que, há alguns meses, já perguntamos em uma enquete em qual marca de celular você mais confia e se você desconfia das marcas chinesas.

Usando a mesma estrutura abaixo, a ideia é repetir regularmente as duas perguntas abaixo, talvez mensalmente ou trimestralmente (veremos) e depois comparar quaisquer variações em suas respostas.

Em qual(is) marca(s) de celular você confia?

Em quais marcas de celulares você confia?

Você desconfia das fabricantes chinesas?

Você desconfia dos celulares chineses?

Lembro que você pode gostar da Xiaomi sem ser um agente à paisana de Pequim e que você pode questionar a proteção de dados e a segurança digital dos produtos chineses sem ser sinofóbico. Fanboys em tecnologia são tão vazios quanto na política e são prejudiciais a um debate construtivo. Se você vai defender uma bandeira sem considerar outros pontos de vista, não o faça de graça e muito menos em nossa seção de comentários! Mas confio em vocês para enriquecer a discussão e não se apropriar dela.

Agradecemos antecipadamente a todos aqueles que participaram da pesquisa. Também o convido a explicar ou argumentar suas escolhas nos comentários. Vejo vocês na segunda-feira para discutir os resultados.

Gostou do artigo? Então compartilhe!
Comentar agora

9 Comentários

Escreva um comentário:
Todas as mudanças foram salvas. Não há rascunhos salvos no seu aparelho.
Escreva um comentário:
Todas as mudanças foram salvas. Não há rascunhos salvos no seu aparelho.

  • Rafael Nunes há 3 semanas Link para o comentário

    Sempre quando vejo esses temas, sempre procuro ver as coisas além daquilo que as mídias falam, digo o sensacionalismo. É claro que a reputação da China está suja no mundo inteiro, e inclusive as acusações de espionagem vem crescendo.

    Mas ai entro com uma questão, quem aqui acredita que é somente a China que age dessa forma? Se pararmos para pensar, o precursores de espionagem são EUA e Rússia, a quantidade de dados espionados pelos EUA, por exemplo, nem se compara com o que China tem hoje. A China pode se dizer que é apenas uma iniciante nesse mercado. Até por que dados hoje é um mercado, mercado de informações.

    O que acontece é, países como EUA, Europeus, não querem que a China obtenha dados de forma alguma, justamente porque o nível de poder que eles tem para isso realmente é grande. Mas ao mesmo tempo se ignora o maior pais do mundo nesse ponto, que é os EUA. Acham mesmo que os aparelhos que cada um tem, não fornece informações para o governo americano? Essa rixa que está ocorrendo sobre a China não passa de mero sensacionalismo, que trás mais benefício para países que já fazem isso e prejudica a China que vem abocanhando esses países nesses aspecto. Isso é apenas uma briga de quem quer ser uma potencia na aquisição de dados, nada além disso.

    Agora, quem acha que vai ficar livre disso é ingênuo. Até porque a única forma de não terem acesso aos seu dados é você não usar mais internet, e sabe lá se isso já não é mais possível. Pra mim isso é algo irrelevante de se preocupar, meu dados são desnecessários para qualquer governo... por enquanto.


  • Lucas N. há 3 semanas Link para o comentário

    Nunca é preconceito ou má fama, mas sempre tive um certo ceticismo em relação à segurança e à privacidade fornecidas sobre qualquer fabricante chinês de eletrônicos. E isso se tornou uma paranóia quando foi relatado o escândalo envolvendo a UC Web em 2017 e a DO Global em 2019, ambas suspeitas de enviar dados sensíveis de usuários Android para um servidor localizado na China justamente para espionagem e/ou monetização incorreta. Desde então, nunca mais confiei em eletrônicos fabricados por chineses. Isso reforçou ainda mais a confiança que possuo até hoje na Samsung.
    Sim, eu sei que somos passivos de termos os nossos dados monetizados em qualquer dispositivo, mas o simples fato de o uso indevido deles ser intencional já quebra a confiança em uma marca pra sempre.
    Hoje em dia existem normas de proteção de dados em todo lugar, mas quem garante que elas estão sendo respeitadas de fato?


  • Jairo rios há 3 semanas Link para o comentário

    Nos gadgets da Xiaomi e de outras chinesas que atendem o mercado interno chinês , acredito sim que ocorra , para o mercado global não creio que ROM traga estes spywares .


  • Douglas há 3 semanas Link para o comentário

    Os Xiaomi globais tem senão me engano os mesmos parâmetros de segurança de , um por exemplo Motorola, se há brechas em software, a empresa por atrás e americana, os componentes de hardware e seus drivers e também a maioria dos ferramental para fabrica Los, são em boa parte americanos..
    Não há uma concentração de suspeita para somente produtos chineses?Que curiosamente usam tecnologia americana que está sim está com brechas e problemas de segurança?
    Dizer que o Estado Chinês está aplicando controle nós smartphones e fácil, agora os repetidos problemas de segurança em aparelhos de redes , SoC's, Chips com problemas de segurança americano ou com participação deles, eles não param de usar, até mesmo dizem que e bom ter falhas para melhorar a segurança...


  • Ilan E. há 3 semanas Link para o comentário

    Provavelmente (achismo meu) que a Xiaomi foi pressionada pelo governo chinês, estive lendo o relatório lá ,e o conteúdo censurado é relacionado a coisas que o governo local abomina a Independência de Taiwan e do Tibet, questões religiosas (Cristianismo e Islamismo)Movimento de 1989.Acho que o problema é das autoridades chinesas.


  • Paulo Ricardo há 3 semanas Link para o comentário

    Eu não trocaria, pois não há como escapar da atual guerra da informação. Se a coisa se agravar, custom roms são um amenizante, apesar que o hardware pode estar "contaminado". Mas atualmente esses problemas são mais notórios em aparelhos para o mercado chinês.
    No final sempre estaremos sendo espionados, seja pela China ou EUA, já que documentos afirmam que a Google mantêm relações íntimas com CIA e NSA.


    • Penskemen há 3 semanas Link para o comentário

      Pois é Paulo, mas o buraco é mais embaixo, pois na verdade o "grande negócio da mídia" é bombardear os consumidores com matérias direcionadas para comprar celulares da maçãzinha, e com isso eles obtêm a famosa "monetização" por parte da Apple, afinal de contas o mercado de smartphones virou uma guerra, e com a liderança nas vendas de celulares conquistada esse ano pela Xiaomi, isso "atrapalha" nas vendas globais da Apple.
      Traduzido...
      Todo esse negócio da teoria da conspiração de invasão da privacidade envolvendo célulares chineses "COMEÇOU COM A HUAWEI" e esse teatro faz parte de uma grande jogada de marketing, que consiste no seguinte:
      Para uma empresa ganhar mercado, o negócio é atacar seu concorrente (que agora é a vez da Xiaomi). Como veem as empresas estão usando qualquer artifício para conquistar mercado, e os sites e a mídia estão vendendo essa ideia, pois ganham monetizarcão com isso, ou você acha que nos preços absurdos dos aparelhos da Apple, não está embutido o valor pago dessas matérias para mídia ❓


    • Ilan E. há 3 semanas Link para o comentário

      Sim, uma guerra cibernética e de espionagem de ambos os lados.


  • Soterio Salles há 3 semanas Link para o comentário

    Eu vou me livrar do meu Xiaomi e nunca mais comprar da marca... Mas não é pelo rolo de censura não, é pela falta de compromisso com updates deles mesmo kkkkkkkkkkkkkkkkkk

    A hora que eles assumirem e cumprirem compromisso com o consumidor pra entregar uma experiência melhor quem sabe eu pense em voltar pra marca.

Escreva um comentário:
Todas as mudanças foram salvas. Não há rascunhos salvos no seu aparelho.