NextPit

Never Throttle: entenda a polêmica de desempenho do OnePlus 9

Never Throttle: entenda a polêmica de desempenho do OnePlus 9

A OnePlus tem estado no olho do furacão nos últimos dois dias após ter sido flagrada desacelerando seu OnePlus 9 e 9 Pro em alguns aplicativos populares a fim de manipular as pontuações de benchmarks. A "otimização" da fabricante supostamente serviria para preservar a bateria dos seus celulares topo de linha.

  • Um teste do OnePlus 9 Pro mostrou uma limitação do desempenho da CPU para alguns aplicativos;
  • A OnePlus confirmou este mecanismo que visa preservar a bateria através da otimização do desempenho;
  • Esta limitação afeta 300 aplicações, mas não os benchmarks gráficos ou alguns jogos;
  • Geekbench 5 removeu o OnePlus 9 e 9 Pro de suas listas e acusa a OnePlus de manipulação de resultados.

Mas vamos começar pelo início. Em 6 de julho, um site especializado sério e reconhecido Anandtech observou sérias desacelerações no OnePlus 9 Pro.

Em um longo artigo apoiado por testes e resultados, o editor Andrei Frumusanu demonstrou por A+B que o OnePlus 9 Pro definiu alguns aplicativos populares como o Twitter ou o Chrome para não aproveitar todo o desempenho do processador Snapdragon 888 ao executá-los.

O OnePlus 9 Pro parecia desabilitar o núcleo Cortex-X1 (de alto desempenho) ao executar os aplicativos da lista, liberando apenas os núcleos intermediários Cortex-A78 ou, em alguns casos, restringindo a carga de trabalho aos núcleos Cortex-A55, de baixo desempenho, mas maior economia de energia.

Ao fazer isso, o funcionamento e respostas destes apps foram limitados consideravelmente, na faixa de 20% do desempenho que o processador é capaz de fornecer, de acordo com os testes realizados pelo Anandtech.

"Isso resultou em alguns números de benchmark realmente estranhos que retratam o OnePlus 9 Pro como um celular básico do início de 2010, com desempenho horrível.", diz a investigação do Anandtech, em inglês, que vale a pena conferir.

Em 7 de julho, a OnePlus respondeu através de uma declaração que explicava isso:

Nossa principal prioridade é sempre proporcionar uma excelente experiência de usuário com nossos produtos, baseada em parte em ser altamente responsiva ao feedback importante do usuário. Após o lançamento do OnePlus 9 e 9 Pro em março, os usuários indicaram algumas áreas onde poderíamos melhorar a vida útil da bateria e o gerenciamento do calor dos dispositivos. Como resultado deste feedback, nossa equipe de P&D tem trabalhado nos últimos meses para otimizar o desempenho dos dispositivos ao utilizar 300 dos aplicativos mais populares, incluindo o Chrome, combinando os requisitos do processador do aplicativo com a potência mais apropriada.

OnePlus assume a responsabilidade pelo Batterygate

Se isolarmos a mensagem real no meio do blablabla corporativo, entendemos que a OnePlus não está reconhecendo o problema ou pedindo desculpas. A fabricante simplesmente afirma que "otimizou" o desempenho do OnePlus 9 e OnePlus 9 Pro para uso com 300 dos aplicativos mais populares.

Segundo a OnePlus, esta medida é totalmente voluntária e assumida, pois visa preservar a bateria de seus celulares e, portanto, melhorar a experiência do usuário. Um argumento que lembra o da Apple, mas cujo escândalo em 2017 em torno da lentidão proposital do iPhone, apelidada de Batterygate, teve proporções incomparavelmente mais sérias e cujas repercussões ainda hoje são evidentes.

A postura do OnePlus foi recebida com fortes reações, o que não é surpreendente. Uma das críticas que surgem com mais frequência é que a fabricante deveria ter deixado a escolha a cargo dos consumidores para ativar esta "otimização" ou, pelo menos, para poder definir exceções.

Especialmente porque este já é o caso do recurso de otimização da bateria no OxygenOS 11. Este modo que permite que o sistema desative aplicativos em segundo plano de forma mais agressiva para limitar o consumo de energia permite que o usuário escolha quais aplicativos podem escapar dele.

oneplus 9 oxygenos 11 battery optimization exception
OnePlus deveria ter avisado seus usuários e dado a eles a escolha / © NextPit

Independentemente das intenções, isso só piora a imagem da OnePlus, uma fabricante cuja essência de todo o marketing e marca se baseia em sua transparência com a comunidade e comunicação com o público. Falando apenas sobre o problema de desaceleração após ser flagrada e exposta publicamente.

Uma tentativa de trapacear nos benchmarks?

Vindo à outra grande, e talvez mais importante, crítica levantada pela investigação do Anandtech, a OnePlus disse que sua otimização envolveu 300 dos aplicativos Android mais populares, incluindo o Google Chrome.

O problema é que em aplicativos de benchmark e menos populares, o desempenho não é limitado e parece se beneficiar de todo o poder do Snapdragon 888.

"O que é evidente aqui é que este não é um mecanismo que se aplica apenas a um punhado de aplicativos, mas se aplica a praticamente tudo que tem algum nível de popularidade na Play Store, incluindo todo o pacote de aplicativos do Google, todos os aplicativos do Office da Microsoft, todos os aplicativos populares de mídia social e qualquer navegador popular, como Firefox, Samsung Internet ou Microsoft Edge", diz o artigo do Anandtech.

oneplus performance throttle
O aplicativo desconhecido não é afetado pela limitação de desempenho / © Anandtech

E o site continua que "as únicas aplicações que estavam visivelmente ausentes de detecção eram alguns dos jogos mais populares". Enquanto jogos como o Candy Crush eram limitados em termos de desempenho, o Genshin Impact não foi. É claro que, além dos jogos, nenhum aplicativo de benchmark foi detectado".

Em relação ao Genshin Impact, é interessante notar que é um jogo muito exigente para o processador e muito focado em gráficos e sua fluidez. Candy Crush, por sua vez, é um título que funcionaria perfeitamente em um Moto G 2015. Pode-se dizer que a OnePlus prefere acelerar o Candy Crush já que o estrangulamento terá menos impacto na experiência do jogo do que em Genshin. Mas pode-se dizer também que a OnePlus fez esta escolha porque o gargalo térmico seria menos perceptível desta forma.

Geekbench, um dos benchmarks mais utilizados pelos testadores, mas cuja pontuação também é importante para os fabricantes e suas equipes de marketing, removeu o OnePlus 9 e OnePlus 9 Pro de seu ranking oficial considerando as ações da fabricante como "uma forma de manipulação de benchmark".

A empresa disse ainda que realizaria seus próprios testes de laboratório para ver se outros modelos OnePlus "manipulam o desempenho da mesma forma".

Conclusão

Para concluir, a única coisa que podemos dizer com certeza é que estas limitações foram intencionais e a OnePlus está assumindo a responsabilidade por elas. Quanto às intenções da fabricante, dependerá da relação que se tem com a marca.

Factualmente, a consequência lógica de qualquer desaceleração normalmente envolve um consumo reduzido de recursos. O argumento da otimização da bateria se sustenta neste ponto. E como técnico que aprecia a OnePlus, eu posso aceitá-lo.

Mas então por que aplicar esta "otimização" apenas em alguns apps e não em outros? E especialmente por que não aplicá-lo aos benchmarks? Se o OnePlus 9 Pro está liberado para usar todo o poder do Snapdragon no Geekbench 5, mas for limitado no uso no mundo real e nos aplicativos que usamos diariamente, é um comportamento enganoso para o consumidor.

Finalmente, se voltarmos à declaração da OnePlus, podemos ler que esta "otimização" de desempenho teria sido ativada após o lançamento do OnePlus 9 e 9 Pro, através de uma atualização pós-lançamento. Entretanto, como nossos colegas do XDA Developers apontaram, vários testes realizados sob embargo (e portanto antes do lançamento) sugerem que a desaceleração já havia sido observada naquela época.

Não seria a primeira vez que uma fabricante Android trapaceia em benchmarks. A OnePlus já foi flagrada com o OnePlus 5 em 2017, mas a Xiaomi, Samsung, Huawei ou até mesmo a novata Realme já foram todos pegos fazendo algo parecido no passado.

Tudo o que resta é ver se a OnePlus persiste no erro e assina este atestado de desonestidade ou se veremos uma atualização do OxygenOS para "corrigir um bug e melhorar o desempenho".

Gostou do artigo? Então compartilhe!
Comentar agora

1 comentário

Escreva um comentário:
Todas as mudanças foram salvas. Não há rascunhos salvos no seu aparelho.
Escreva um comentário:
Todas as mudanças foram salvas. Não há rascunhos salvos no seu aparelho.

  • Jairo rios há 3 meses Link para o comentário

    Apple fazendo escola, na minha opinião, isto seria válido se tivessem informado com antecedência os consumidores , como está considero picaretagem.